._.

Os Regulares

segunda-feira, 23 de maio de 2011

terça-feira, 17 de maio de 2011

O terrível passar do anos, que parecem muitos quando se recorda, mas parecem poucos quando se imagina.

Diria a minha mãe, ou quem seja, ou o que seja que me criou, que depois de mal e porcamente cuspida para este Mundo... E depois de toda a erosão do tempo... e a criação milenar de sedimentos... a acumulação de materiais contribuíram para a formação de uma rocha...

E geralmente (como era de esperar) esta acumulação deu se em meio aquático, semelhante a lacrimoso. 
Mas destes minutos todos, que passaram como milénios, disse o que me predestinou a isto : Ainda não és nada.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Naquele segundo que os teus pulmões ficam sem ar... o teu coração deixa de responder e ficamos sem cérebro. Só a flutuar em vazio.
Não morreste. Só foste profundamente magoado/a. 

sábado, 14 de maio de 2011

Uma história de Gatos u.u

(1) Whiskers é o seu nome! revoltado com o país decidiu  matar um  tal representante desse mesmo país chamado de  Setarcos (qualquer parecença com o nome Sócrates é puramente coincidência).




a minha história acaba aqui. Eu só queria mesmo usar esta foto em algum contexto.

É sábado e eu estou em casa! Laura - A ser uma pessoa popular desde 1992! ao som de Simon And Garfunkel, Bookends


"Time it was, and what a time it was, it was
 
A time of innocence, a time of confidences 
Long ago, it must be, I have a photograph 
Preserve your memories, they're all that's left you"

More lyrics: http://www.lyricsfreak.com/s/simon+and+garfunkel/#share
Eu fiz copy- paste xD e apareceu o link! ahah XD

Existem vários factores que condicionam a minha evolução de macaca até ser humana, uma delas eu tenho a certeza que é fazer copy-paste! que basicamente é no que se baseia todos os trabalhos de escola que faço! ( caso seja o meu prof. de Psicologia a ler isto, é mentira *.*  x'D os meus trabalhos de psicologia não tem copy-paste nenhum)

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Escrito ontem por volta das 20h

Omg Eu tenho tanta fome..... mas tanta fome .....mas tanta fome

tenho um prazer imenso, em ler as placas de trânsito todinhas! e decorar o maior número de nomes de terras estranhos por onde passar.


Eu em forma de gato u.u Don't judge!
Tipo hoje fui ao Castelo de Bode ( naquela altura não tinha fome porque almocei lasanha! Agora Adoro lasanha!), o castelo de bode é uma zona respeitável perto de Tomar, com uma barragem e sitio para por toalhas, e eu gosto de mostrar as minhas Skilllzzzzz a Nadar então vou para lá. Diga se de passagem que as Skillzzz são poucas... Eu não sei mesmo nadar e não me aventuro a mais de 1.30 de profundidade! as vezes estou com mais moral (ou tenho as minhas bóias dos patinhos) e vou até a profundidade assustadora de 1.50 (seja de notar, caro leitor, que eu tenho aproximadamente 1.60... aquilo não tem ondas, e já foi praticamente cientificamente provado que eu bóio que s'a farta, logo não existe muita probabilidade de eu me afogar em 1.30 de profundidade).
Depois de umas braçadas eu já estava cheia de fome! É do cansaço de "nadar" tanto.
Enquanto eu escrevo este texto, meia dúzia de mosquitos atacam ferozmente o meu ecran, cabeçadas desesperadas. quem me dera ser gato. Estou cheia de fome e os gatos devoram comida sem cozinhar o que dá muito jeito.
O Ricardo é um querido, e sabendo das minhas habilidades nadadoras fica de olho em mim quando estou a "nadar", porque nunca se sabe quando vou simplesmente distrair me e já não ter pé, a uma profundidade assustadora de 1.70... ou algo parecido!

Acabo este texto depois de ter morto todos os mosquitos e cheia de fome....
Pergunto-me a que sabe mosquito.... .-------. 

xD Just kidding, eu já vou fazer o jantar!


sexta-feira, 6 de maio de 2011

Olá Novos Seguidores! Eu gosto de gatos.
SUN

Into the Wild - kinda sad but very good

 Quando ele teve a oportunidade tentou melhorar a sensação de vazio com uma entrega total a natureza.
A carrinha em que ele vive depois de chegar ao Alasca durante vários meses.    





Um óptimo filme sobre procurar o que nos falta. Mesmo que só nos cheguemos a perceber do que precisamos realmente demasiado tarde.